‘Sucesso da lingerie no exterior vem da beleza brasileira’, diz empresária



5 de abril de 2017
por: Marcela Leone

Rosana Marques é dona de uma das maiores confecções de Juruaia.
Marca exporta peças há 17 anos para cerca de 10 países.

história de Juruaia(MG) com suas famosas lingeries começou há mais de 20 anos. Um dos maiores polos da moda íntima do Brasil começou a nascer com a abertura das primeiras confecções nos anos 90. De lá pra cá, muita coisa mudou. Do início, com peças de produção caseira e em pequena escala, até os produtos sofisticados de hoje, a fama da cidade cresceu, atravessou fronteiras e levou seu nome a países como Portugal, Austrália e Holanda. Hoje, as lingeries de Juruaia são vendidas em mais de 10 países.

Entre os vários empresários que apostaram no setor está Rosana Aparecida Marques, de 54 anos. Nascida e criada pelos pais comerciantes na pequena cidade do Sul de Minas, Rosana trabalhou em outras áreas antes de apostar no novo negócio. Formou-se professora, mas percebeu que o comércio era onde deveria investir.

Quando decidiu abriu sua própria confecção de lingerie, em 1994, ela seguia apenas o instinto – o sucesso das peças de Juruaia só virou realidade anos depois. Duas funcionárias e um pequeno galpão marcaram o início do seu projeto.

Lingerie de Juruaia é destaque em feira internacional na França (Foto: Arquivo Pessoal / Rosana Marques)

Lingerie de Juruaia é destaque em feira internacional na França (Foto: Arquivo Pessoal / Rosana Marques)

Com o passar dos anos, mais funcionários chegaram e ganharam experiência. Com o tempo, mais de 20 ex-colaboradores decidiram começar seus próprios negócios, apoiados pela empresária. “O meu pensamento era que o crescimento de Juruaia dependia do aumento no número de lojas. Era preciso que tivesse muitas confecções para atrair pessoas de outras cidades”.

Rosana foi uma das fundadoras da ACIJU – Associação Comercial e Industrial de Juruaia e da Felinju – Moda e Lingerie de Juruaia, que em 2017 chega à sua 20ª edição.

Após anos de trabalho, a marca da empresária hoje conta com mais de 90 funcionários que produzem entre 60 e 70 mil peças por mês. Seus produtos são expostos na loja oficial, que tem cerca de 800 mil metros quadrados. Por suas ações empreendedoras, Rosana já recebeu vários prêmios e foi citada como uma das maiores empresárias do país em diversas publicações. Também foi nomeada como diretora financeira do Conselho Nacional da Mulher Empresária, em Brasília.

O sonho no exterior
Foi em 2000 que Rosana começou a pensar em formas de fazer a marca ganhar novos territórios. Com um processo simples, começou a vender suas peças para clientes nos Estados Unidos, Bolívia, Itália, Portugal, França, Holanda, Dubai e Chile.

Em 2006, veio o interesse pelas feiras de moda íntima no exterior. Foi quando começou a frequentar eventos na França, Estados Unidos e Colômbia. De início, a intenção era acompanhar tendências. O sonho ganhou forma e, em 2016, teve início o processo de internacionalização da marca, quando a empresa ganhou até um departamento interno para tratar deste assunto.

“Eu vi a presença em eventos internacionais como uma ótima oportunidade para aumentar a exportação e driblar a crise econômica que assola o Brasil.” Foi no Salon International de La Lingerie de Paris e no Mode City em Lyon, ambos na França, que Rosana conquistou clientes diretos em Portugal, Itália e Grécia, além de contatos com Caribe e Senegal.

Para Rosana, a lingerie brasileira é um produto especial. “A roupa íntima do Brasil faz sucesso pela beleza e sensualidade das brasileiras. A energia que temos é visível e muito querida lá fora. No geral, somos bem resolvidas com nossos corpos, gostamos de mostrá-los. Tudo isso contribui para uma moda íntima diferenciada e valorizada.”

Além da sensualidade, tão procurada pelas estrangeiras nas lingeries fabricadas no Brasil, o colorido e a variedade das peças também chamam atenção. “Temos as tradições praianas e carnavalescas que são muito fortes e ajudam a criar comportamentos diferenciados na mulher brasileira. Isso ajuda demais nas vendas em outros países”.

Para Rosana Marques, sucesso da lingerie está aliado à beleza e sensualidade da mulher brasileira (Foto: Arquivo pessoal / Rosana Marques)

Para Rosana Marques, sucesso da lingerie está aliado à beleza e sensualidade da mulher brasileira (Foto: Arquivo pessoal / Rosana Marques)

Com tantos anos de experiência e seu trabalho atravessando fronteiras, Rosana faz questão de lembrar os desafios. “Eles sempre fizeram parte da minha vida. Se não fosse assim, não teria deixado a profissão de professora para ser empresária”.

E toda sua trajetória é motivo de orgulho. “Sou uma pessoa e empresária muito feliz. Amo empreender e saber que ajudei a transformar a realidade de várias pessoas em Juruaia. Não me contento apenas em realizar meus sonhos. Acredito que minha missão também é colaborar para a realização dos sonhos dos outros”.

A Felinju
A Felinju – Moda e Lingerie de Juruaia – chega em 2017 a sua 20ª edição. Entre 29 de abril e 01 de maio, o Centro de Eventos Expo Juruaia abre espaço a mais de 70 expositores e tem a expectativa de receber cerca de 30 mil visitantes. Organizada pela ACIJU – Associação Comercial e Industrial de Juruaia, a feira registra um crescimento de 20% no volume de negócios por ano. Em 2016, foram mais de R$15 milhões em vendas.

A cidade do Sul de Minas, responsável por 15% da produção nacional de lingerie e 3º polo do setor, produz cerca de 20 milhões de peças por ano.

Com 95% das empresas comandadas por mulheres, Juruaia é dona da maior renda per capita do Sul de Minas.

Fonte: G1 | Fotos: reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *