O que vem acontecendo com as grifes de lingerie?



3 de março de 2017
por: Marcela Leone

grifes-lingerie

Não é só no Brasil que há crise. Países como Estado Unidos e Inglaterra podem não estar tão abalados quando o assunto é economia, mas também vêm sofrendo transformações políticas que têm reflexo no comportamento do consumidor.

Claro que as mudanças também abalam o segmento de lingerie, que vive uma fase de transição de imagem — já que muito do contexto feminino está sendo repensado, como os conceitos de beleza e autoestima.

O reflexo disso é a queda nas vendas e consequentemente nos lucros de gigantes como Victoria’s Secret e Agent Provocateur. Em comparação a fevereiro do ano passado, as vendas da VS diminuíram 16%, o que a empresa atribuiu a diminuição da entrega de seu material gráfico.

Enquanto isso, a inglesa Agent Provocateur finaliza seu acordo de venda. A nova proprietária será a Four Holdings, que já atua em Londres com distribuição e varejo de moda. Anteriormente, a AG já havia solicitado proteção judicial contra falência.

Alix Partners – empresa especializada em encontrar interessados adquirir marcas que passam por dificuldades – anunciou em comunicado que já está em vias de efetuar a venda da Agent Provocateur. “Desejamos ao negócio e aos novos proprietários tudo de melhor para o futuro”.

Já a 3i, acionista majoritária da AG desde 2007, tem enfrentado tropeços financeiros que fizeram a marca de lingerie parecer mais bem sucedida do que realmente estava. Ainda no início de 2016, a 3i confirmou que iria investir 4 milhões de libras na grife de lingerie. O que, fatuamente, não houve retorno.

Foto: reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *