Nova Friburgo: de rota do café à capital da moda íntima do RJ



17 de maio de 2017
por: Marcela Leone
Fevest, a feira de moda √≠ntima, movimenta milh√Ķes e evidencia a import√Ęncia do setor na cidade (Foto: Pedro Bessa / Divulga√ß√£o)

Fevest, a feira de moda √≠ntima, movimenta milh√Ķes e evidencia a import√Ęncia do setor na cidade (Foto: Pedro Bessa / Divulga√ß√£o)

Nova Friburgo, na Regi√£o Serrana do Rio, comemorou 199 anos nesta ter√ßa-feira (16). O munic√≠pio foi fundado em 1818 para ser uma col√īnia su√≠√ßa mas, segundo a historiadora Jana√≠na Botelho, acabou se desenvolvendo por ser a rota de passagem do caf√© que era produzido em Cantagalo. Atualmente, a cidade √© considerada a capital da moda √≠ntima do Estado do Rio de Janeiro.

Do ponto de vista econ√īmico, Friburgo tem uma longa hist√≥ria com a ind√ļstria t√™xtil e mesmo em meio √†s crises econ√īmicas que o pa√≠s enfrentou em diferentes √©pocas, inclusive no ano passado, conseguiu se reinventar.

Segundo Marcelo Porto, presidente do Sindicato das Ind√ļstrias do Vestu√°rio de Nova Friburgo (SindVest), o setor contratou mais do que demitiu no primeiro trimestre de 2017. De acordo com ele, a ind√ļstria da moda √≠ntima emprega de maneira formal e informal cerca de 30 mil pessoas.

A hist√≥ria da ind√ļstria t√™xtil tem mais de 100 anos, conforme explicou Jana√≠na. A primeira ind√ļstria, segundo ela, foi fundada em 1911 por um imigrante italiano, que trabalhava com acabamento de roupas e produ√ß√£o de v√©us. J√° em 1940 come√ßam a surgir as metal√ļrgicas e o auge industrial acontece em 1950.

‚ÄúA moda √≠ntima ganha for√ßa j√° em 1990 em um per√≠odo que houve um decl√≠nio econ√īmico em todo o pa√≠s e muitas ind√ļstrias de grande porte faliram. Com isso, os desempregados que tinham capacidade t√©cnica come√ßaram a abrir suas pr√≥prias confec√ß√Ķes. Eles j√° sabiam produzir materiais, como calcinhas e suti√£s. Ent√£o com pequenas m√°quinas deram in√≠cio a produ√ß√£o‚ÄĚ, contou. Para Jana√≠na, o investimento s√≥ obteve sucesso porque os trabalhadores investiram naquilo que sabiam fazer.

Marcelo, do Sindvest, conta que mesmo com a crise econ√īmica o saldo de empregos continua crescendo, assim como o n√ļmero de empresas. Segundo ele, 1.400 ind√ļstrias produzem moda √≠ntima, fitness, linha praia e noite em Nova Friburgo, atualmente. Al√©m de vender para sacoleiros, varejistas e lojas de departamento, o polo de moda √≠ntima tamb√©m trabalha com exporta√ß√£o.

Segundo Marcelo, o setor passou por muitas mudanças com o avanço da tecnologia e também precisou fortalecer o produto para concorrer com as peças asiáticas, que balançaram o setor no fim da década de 1990.

‚ÄúN√≥s s√≥ conseguimos superar os chineses porque trabalhamos com um pre√ßo justo, o design da mulher brasileira e investimos na identidade do produto‚ÄĚ, afirmou.

Para o presidente do SindVest, a moda íntima que é feita hoje é diferente da que era produzida uma década atrás.

“A tecnologia mudou totalmente, o maquin√°rio √© diferente, tem um n√≠vel maior de produtividade e requer uma m√£o de obra ainda mais qualificada‚ÄĚ, disse ele, acrescentando que foi preciso investir na identidade do produto, que tem a cara da mulher brasileira para n√£o perder espa√ßo para o que √© produzido na China.

Ele lembra ainda que anualmente a cidade promove a Fevest, uma feira de negócios que atrai investidores do país inteiro. Para Marcelo, o evento, que oferece palestras e workshops, é muito importante para fortalecer o relacionamento entre produtores, fornecedores e clientes.

‚Äú√Č uma oportunidade para entender o que est√° acontecendo e as tend√™ncias mercadol√≥gicas‚ÄĚ, disse.

 A origem de Nova Friburgo, a Suíça brasileira
Moradores de Nova Friburgo acompanham obras de uma das primeiras fábricas têxteis (Foto: Arquivo | Janaína Botelho)

Moradores de Nova Friburgo acompanham obras de uma das primeiras fábricas têxteis (Foto: Arquivo | Janaína Botelho)

Jana√≠na Botelho lembra que Nova Friburgo foi fundada em 1818 para ser uma col√īnia de su√≠√ßos. Na √©poca, foi retirada uma parte do territ√≥rio de Cantagalo, que j√° come√ßava a dar os primeiros passos na planta√ß√£o de caf√©. J√° em 1824, ela disse que chegou um grupo de colonos alem√£es que deram mais vida √† regi√£o.

‚ÄúDepois Friburgo deixou de ser uma cidade de administra√ß√£o colonial e a C√Ęmara Municipal tomou conta. O desenvolvimento da cidade foi acontecendo, principalmente, porque a regi√£o virou local de passagem das mulas que carregavam o caf√© que era colhido em Cantagalo. Aquela era uma das rotas mais importantes e desenvolveu o com√©rcio local‚ÄĚ.

Segundo Janaína, o clima frio e seco também era um atrativo em meados do século 19. Ela contou que muitas pessoas iam para a cidade para curar doenças, como a tuberculose, e fugindo de surtos, como o da febre amarela.

Atualmente, ela destaca que a economia de Nova Friburgo √© voltada para a moda √≠ntima e tamb√©m para as grandes metal√ļrgicas, al√©m da cidade ser a segunda maior produtora de flores do Brasil. Em uma menor escala tamb√©m √© direcionada √† agricultura.

Fonte: G1 | Fotos: reprodução 

Comments are closed.